Bolsonaro recebe oração em frente ao Palácio da Alvorada

Um dos presentes, um pastor evangélico, pediu para orar naquele momento e o presidente pediu que ele orasse também pela imprensa brasileira e pelo Brasil. Bolsonaro ainda pediu silêncio de todos para o momento da oração.

O pastor então pediu que Deus abençoe o governo instituído, a imprensa, a economia e os ministros. Ao final, os presentes bateram palmas. Em seguida Bolsonaro se dirigiu à imprensa e respondeu perguntas, junto com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre vazamentos de óleos no Nordeste.

O presidente insinuou que o volume de óleo, que não seria constante, pode indicar ação criminosa. Bolsonaro ainda foi questionado sobre denúncias de tortura em um presídio no Pará que está sob gestão do governo federal. Ao responder, ele disse que os jornalistas “não viam problemas nos governos anteriores”.

O presidente então se dirigiu ao carro oficial e, antes de entrar, disse que faria uma oração.

– Deixa eu orar aqui agora. Meu Deus –não sou pastor, não. Meu Deus, salve, lave a cabeça dessa imprensa fétida que nós temos. Lave a cabeça deles. Bote coisa boa dentro da cabeça deles, [para] que possam perguntar, me ajudar a publicar matéria para salvar o nosso Brasil – ressaltou.

Leia mais